Mesa redonda 5

Educação de qualidade como direito e a organização do trabalho pedagógico na escola: impacto no SNE

Convidados

Ana Maria Vilella Cavaliere (UFRJ) Lattes
Escola de horário integral no brasil: em busca da condição de política de estado

Luiz Carlos de Freitas (UNICAMP) Lattes
A organização do trabalho pedagógico na escola: para qual qualidade?

José Francisco Soares (Representante do INEPLattes

Moderador:

Pedro Laudinor Goergen (UNICAMP/UNISO) Lattes 


Palestrante1: Ana Maria Cavaliére – UFRJ

Escola de horário integral no brasil: em busca da condição de política de estado

 

Resumo

A necessidade da escola de horário integral no Brasil tornou-se quase uma unanimidade. Entretanto o sentido dessa proposta ainda não está suficientemente estabelecido. Se vista como um direito de todos, estratégico para a cidadania, é uma tarefa de grande porte político e financeiro e requer tratamento de política de Estado assumida cooperativamente por todos os entes da federação. Nesse caso, novos equipamentos escolares e mais professores são imprescindíveis. Já uma visão compensatória da ampliação da jornada escolar, voltada para alguns segmentos da população, pode levar a soluções fragmentadas, provisórias, com base em trabalho voluntário ou em parcerias com organizações sociais de diferentes matizes. Este artigo apresenta e analisa os atuais elementos que compõem o debate sobre o tema.


Palestrante2: Luiz Carlos de Freitas - Unicamp

A organização do trabalho pedagógico na escola: para qual qualidade?

Resumo

 A opção política que orienta o sistema de avaliação desde os anos 1990 coaduna-se às vivenciadas em outros países, porém mais apoiando-se na reprodução dessas do que por evidências empíricas positivas. As categorias centrais que definem tais políticas envolvem uma combinação de responsabilização, meritocracia e privatização, merecendo atenção para que não percamos mais uma década no campo educacional, considerando que a organização do trabalho pedagógico tem sido diretamente influenciada pelas propostas em curso e a formação dos estudantes irremediavelmente afetada. As evidências empíricas apontam para a indução curricular adequada ao demandado na avaliação e distanciando-se, portanto, de um trabalho pedagógico voltado à efetivação da qualidade de ensino. Pretende-se, por este viés, analisar a organização do trabalho pedagógico e as possibilidades de aprender dos estudantes matriculados no sistema educacional, tomando como ponto de análise as condições de elaboração didático/metodológicas dos docentes frente às atuais políticas educacionais de avaliação.


Palestrante 3: Representante do INEP